Disputa olímpica em Brasília deve movimentar mais de R$ 150 milhões na cidade

Em entrevista coletiva o governador Rodrigo Rollemberg destacou que a presença desses visitantes tende a aquecer a economia e impulsionar o turismo. Foto: Gabriel Jabur/Agência Brasília

Previsão de investimento para as 10 partidas de futebol é de R$ 32 milhões. Seleção brasileira masculina estreia em 4 de agosto no Mané Garrincha

Brasília (DF) – Durante os Jogos Olímpicos Rio 2016, Brasília receberá dez partidas de futebol, sete do torneio masculino e três do feminino. No período em que ocorrem os jogos, de 4 a 13 de agosto, a expectativa é que a movimentação financeira na capital do País seja de R$ 156 milhões, quase cinco vezes a mais que o investimento previsto: R$ 32 milhões. Desse valor, R$ 13 milhões serão destinados a gastos com segurança.

O primeiro dia de jogos na cidade é 4 de agosto, em rodada dupla, com a estreia da seleção brasileira masculina, que entra no campo do Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha contra a África do Sul. A estimativa é que a capital receba 300 mil diárias nos 10 dias de jogos. O gasto estimado médio por turista por dia é de R$ 520, valor que inclui hospedagem, alimentação e transporte.

Em entrevista coletiva para informar os números na manhã desta sexta-feira (24), no Palácio do Buriti, o governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg, destacou que a presença desses visitantes tende a aquecer a economia e impulsionar o turismo. “Aproximadamente 4 milhões de pessoas estarão com os olhos aqui. Como na Copa do Mundo, Brasília estará no centro das atenções”, afirmou, em referência à estreia da seleção masculina de futebol no evento. “Contamos com todos os brasilienses para fazer com que a cidade mostre seu perfil turístico e acolhedor.”

Estão previstos gastos do governo de Brasília de R$ 7,1 milhões com a estrutura temporária externa ao Mané Garrincha, exigida na matriz de responsabilidade, e de R$ 1.024.568,75 na recuperação do Estádio Antônio Otoni Filho, conhecido como estádio do Cave, no Guará – ambos os valores incluídos nos R$ 32 milhões. O local será usado como centro de treinamento das seleções que disputarão o torneio olímpico. Todo o gramado será trocado, e haverá estrutura provisória para vestiários e banheiros. A maior parte dos custos da reforma do Cave — R$ 6.166.632,96 —, que inclui outros equipamentos, será paga com recursos do Ministério do Esporte.

Após as disputas na cidade, o governo fará um balanço dos recursos investidos e do retorno efetivo para a população.

Como será gasta a verba do governo de Brasília destinada à Olimpíada

Os R$ 32 milhões estimados para investimento correspondem ao orçamento de todos os órgãos envolvidos na Olimpíada em Brasília. “Ainda vamos conversar com cada pasta e saber o que pode ser reduzido nesse valor”, explica a secretária do Esporte, Turismo e Lazer, Leila Barros. Além dos R$ 13 milhões destinados a gastos com segurança, os demais recursos servirão para adequar as arenas esportivas e para ações de mobilidade, entre outras áreas ligadas ao evento.

Quanto aos R$ 7,1 milhões com estrutura temporária, está prevista a instalação de até sete centros para atendimento ao turista, um deles fixo. O Centro de Convenções Ulysses Guimarães terá uma área de apoio para a imprensa e o comitê olímpico, além de serviços voltados para o torcedor, como troca de ingressos.

Em relação à segurança — uma das maiores preocupações do governo de Brasília em relação ao evento —, a verba aplicada visa garantir tranquilidade para quem vai acompanhar as partidas e para o cidadão do DF. Em abril, 31 órgãos públicos assinaram o Plano Tático e Integrado de Segurança Pública e Defesa Civil para os Jogos Olímpicos Rio 2016, documento que define as atribuições de cada instituição para o evento.

O plano especifica as ações de cada entidade antes e durante as disputas, de acordo com o estabelecido em protocolos nacionais e internacionais de segurança.

Além do governador Rodrigo Rollemberg e da secretária Leila Barros, participou da entrevista o secretário-adjunto de Turismo, Jaime Recena.

Jogos Olímpicos na capital federal

Em Brasília, abre a competição entre os homens a disputa entre Iraque e Dinamarca, às 13 horas de 4 de agosto, antes de o Brasil entrar em campo contra a África do Sul. No dia 7, dinamarqueses e sul-africanos enfrentam-se, sempre no Mané Garrincha, às 19 horas, e em seguida, às 22 horas, haverá o duelo entre brasileiros e iraquianos.

Em 10 de agosto, ocorrem outros dois jogos do masculino. Às 13 horas, os brasilienses acompanham Argentina e Honduras. Às 16 horas, entram em campo Coreia do Sul e México. Brasília encerra a participação nos Jogos Olímpicos em 13 de agosto, com o confronto válido pelas quartas de final, entre o primeiro colocado do Grupo D e o segundo do C.

Na competição feminina, o Mané Garrincha sediará três partidas — duas pela fase de grupos e uma pelas quartas de final. Em 9 de agosto, às 16 horas, haverá Alemanha e Canadá. No mesmo dia, às 22 horas, China e Suécia entram em campo.

Em 12 agosto, já pela fase eliminatória, será disputada a partida entre o primeiro colocado do Grupo G contra o terceiro do E ou do F. O futebol é o único esporte disputado em cidades fora da sede olímpica. Além de Brasília e do Rio de Janeiro, os jogos ocorrerão em Belo Horizonte, Manaus, Salvador e São Paulo.

Seja o primeiro a comentar on "Disputa olímpica em Brasília deve movimentar mais de R$ 150 milhões na cidade"

Faça um Comentário

Seu endereço de email não será mostrado.


*