Indústria 4.0 é acessível para pequenas e grandes empresas

"O sistema de produção automatizado vai sair mais barato do que as estruturas estáticas atuais" - Flavio Bruno


E acredite, o atual sistema de produção industrial será transformado. Isso é o que indicam as pesquisas que estão reunidas em um livro que acaba de ser lançado pelo pesquisador do SENAI CETIQT Flavio Bruno. A publicação aborda as principais mudanças da chamada quarta revolução industrial

Indústria 4.0 para os alemães e Manufatura Avançada para os estadunidenses. Termos diferentes para falar do mesmo assunto: a nova fase da era industrial. Considerada a quarta revolução do setor, a Indústria 4.0 tem cada vez mais interessados. Por isso, o pesquisador da Gerência de Estudos Prospectivos e Projetos Especiais (GEPE) do SENAI CETIQT (Centro de Tecnologia da Indústria Química e Têxtil) Flavio Bruno considera que primeiro é preciso entender o significado dessa expressão.

As pesquisas sobre o tema acabam de ser publicadas no livro “A quarta revolução industrial do setor têxtil e de confecção: A visão de futuro para 2030”, disponível gratuitamente para donwload (confira no fim desta reportagem). Trata-se do resultado de estudos desenvolvidos pelo SENAI CETIQT, em conjunto com a Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (ABIT) e com a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI).

Autor do livro, Flavio Bruno conversou com a Agência CNI de Notícias sobre essa nova revolução. Para ele, em menos de 20 anos a Indústria 4.0 influenciará o surgimento de uma nova estrutura em níveis locais e regionais.

AGÊNCIA CNI DE NOTÍCIAS – O livro mostra como será essa mudança no setor industrial?

FLAVIO BRUNO – A intenção é essa. Quando entendemos o que é a Indústria 4.0 e os elementos que a compõem, a gente percebe que essa classificação das atividades industriais, desde as mais intensivas em tecnologia até as menos, vai acabar. Porque a automação, a robotização, as soluções de tecnologias de processamento de imagens, de simulação, etc permeiam todas as atividades industriais cada vez mais. É como aconteceu na segunda revolução industrial. Se eu tinha roda d’água pra gerar energia, quando chega a energia elétrica, muda tudo. Muita coisa vai mudar em todos os setores nos próximos anos.

AGÊNCIA CNI DE NOTÍCIAS – Na Alemanha, a Indústria 4.0 está muito avançada. No Brasil a situação é diferente. O que a indústria brasileira precisa fazer para não perder essa momento?

FLAVIO BRUNO – Eu acho que é uma questão de não perder o trem da história, e esse é o objetivo do livro. Primeiro queremos comunicar aos nossos novos empreendedores e até aos já estabelecidos que a robotização é algo cada vez mais barato e, nos próximos 5 ou 10 anos, se tornará acessível a todos. Além disso, o sistema de produção automatizado vai sair mais barato do que as estruturas estáticas atuais. É preciso desmistificar essa ideia de que a Indústria 4.0 é uma tecnologia de ponta para indústrias como aeroespacial ou a farmacêutica.

AGÊNCIA CNI DE NOTÍCIAS – Mais cedo ou mais tarde, a indústria terá de se adequar. É isso?

FLAVIO BRUNO – Eu diria que já começou. Não tem mais cedo ou mais tarde, já é mais tarde. Reagir a esse processo, de uma maneira a ignorar o conhecimento sobre a proximidade com que ele está das pessoas é um equívoco. É mais uma questão das instituições de apoio, de ensino, técnico, acadêmico e do interesse empresarial. É preciso enfatizar isso em pequenas empresas, inclusive nas que surgem de faculdades e até de escolas técnicas. No caso do setor têxtil, a Indústria 4.0 vai ajudar a resolver problemas crônicos como a falta de mão-de-obra e outras dificuldades, por exemplo, de qualidade da produção.

Download de Arquivos:

 http://arquivos.portaldaindustria.com.br/app/conteudo_18/2016/06/28/11245/Aquartarevoluoindustrialdosetortxtiledeconfeco.pdf

Seja o primeiro a comentar on "Indústria 4.0 é acessível para pequenas e grandes empresas"

Faça um Comentário

Seu endereço de email não será mostrado.


*