Pesquisa traça perfil de adolescentes que mataram ou morreram em Fortaleza

Rixas e conflitos territoriais, abandono da escola, trabalhos precários e famílias econômica e psicologicamente frágeis são algumas das marcas que envolvem adolescentes que foram assassinados ou que cometeram homicídios em Fortaleza. As informações estão nos dados preliminares de pesquisa feita pelo Comitê Cearense de Prevenção de Homicídios, apresentada hoje (15). O colegiado reúne parlamentares da Assembleia Legislativa do Ceará, representantes do governo estadual, da prefeitura de Fortaleza e organizações da sociedade civil.

Pesquisadores visitaram bairros de várias regiões da capital cearense, sobretudo na periferia, e unidades de internação de jovens infratores e aplicaram 385 questionários entre familiares de adolescentes que foram mortos e jovens que cometeram homicídios e cumprem medidas socioeducativas. Embora as histórias sejam distintas, muitas situações se repetem entre os entrevistados. Entre os adolescentes assassinados, por exemplo, 73% foram mortos no bairro ou território onde moravam.

“Muitas das mães ouviram os tiros que mataram seu filho”, disse a pesquisadora Camila Holanda, integrante da equipe técnica do comitê. Para ela, os pontos em comum nas trajetórias desses jovens revelam a existência de uma adolescência abandonada, inclusive pelos serviços públicos. Entre os meninos mortos, por exemplo, 74% havia deixado a escola. Entre os que cometeram assassinato, 64% estavam na mesma situação.

O relator do comitê, deputado estadual Renato Roseno (PSOL), disse que as mortes que tiveram adolescentes como vítimas ou autores subiram muito nos últimos 16 anos em Fortaleza. O Mapa da Violência revela que capital cearense tem a mais alta taxa de homicídios de crianças e adolescentes do Brasil.

“A morte não é um evento solto, mas um processo que começa no abandono: vulnerabilidade individual e familiar pela ausência de políticas públicas e pelo território onde moram. Há muitos sinais de alerta, como o acesso ao mercado de armas, ameaças que não são investigadas e a completa ausência de resposta aos homicídios existentes”, listou.

Roseno disse que o objetivo da pesquisa, que também vai abranger municípios da região metropolitana de Fortaleza e do interior do estado, é entender os homicídios para além do senso comum e direcionar políticas públicas de prevenção.

Contexto familiar

O contexto familiar também diz muito sobre as mortes que envolvem adolescentes em Fortaleza e revela omissões e negligências em série. O coordenador do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) para o Ceará, Rio Grande do Norte e Piauí, Rui Aguiar, explicou que muitas das mães de adolescentes vítimas de homicídio engravidaram precocemente e abandonaram os estudos. A pesquisa revela, por exemplo, que 85% dos adolescentes que cumprem medidas de internação têm a mãe como principal responsável familiar.

“Grande parte das casas tem como renda principal a renda da mulher, que muitas vezes foram adolescentes grávidas, abandonaram a escola, perderam oportunidades e hoje têm empregos precários ou sobrevivem apenas com o Bolsa Família”, ponderou. Segundo Aguiar, a prevenção a homicídios na adolescência deve envolver investimentos robustos em políticas para as mulheres.


Seja o primeiro a comentar on "Pesquisa traça perfil de adolescentes que mataram ou morreram em Fortaleza"

Faça um Comentário

Seu endereço de email não será mostrado.


*