Com a nova fábrica da Klabin, cresce o transporte ferroviário de Ponta Grossa à Paranaguá


Tráfego passa de 14 para 16 trens por dia no corredor ferroviário mais utilizado para o transporte de cargas na Região Sul

A parceria entre a Klabin, maior produtora e exportadora de papéis do Brasil, e a Rumo, maior empresa concessionária de ferrovias do Brasil, vem movimentando ainda mais os 200 quilômetros de trilhos entre a região de Ponta Grossa e o Porto de Paranaguá, no Paraná. Esse é o corredor ferroviário mais utilizado no transporte de cargas da região Sul do País, com tráfego de 14 a 16 trens por dia.

 No final de junho, a Klabin inaugurou oficialmente a Unidade Puma, sua fábrica de celulose em Ortigueira (PR). Os investimentos para a nova operação somam R$ 8,5 bilhões, incluindo infraestrutura e impostos recuperáveis, e contemplam uma Unidade Logística de Papel e Celulose em Paranaguá. A nova fábrica gera cerca de 1,4 mil empregos diretos e indiretos, considerando as atividades industriais e florestais.

 A Rumo, que administra 12 mil quilômetros de malha ferroviária no Brasil, responde pelo trecho por onde a produção da unidade de Ortigueira vem sendo escoada para exportação. Além de construir um ramal de 23,5 quilômetros que permite a conexão com a ferrovia administrada pela concessionária, a Klabin adquiriu 306 vagões e sete locomotivas Evolution ES43BBi, mais potentes e econômicas que outros modelos em circulação.

 A capacidade de produção anual da Unidade Puma é de 1,1 milhão de toneladas de celulose branqueada de fibra curta (eucalipto) e 400 mil toneladas de celulose branqueada de fibra longa (pínus), parte convertida em celulose fluff. Desse total, 900 mil toneladas chegarão à Paranaguá por ferrovia.

 A locomotiva do futuro

 Adquiridas pela Klabin e em operação em ferrovias administradas pela Rumo, as sete novas locomotivas representam um salto tecnológico para o transporte ferroviário brasileiro. O modelo, que atende as especificações da malha de bitola métrica (um metro de largura) e foi desenvolvido pela General Eletric (GE), é produzido em Contagem (MG). Batizadas de Evolution ES43BBi, as locomotivas são mais potentes e econômicas que os modelos atualmente em circulação no Brasil.

 Com mais de 200 toneladas e oito eixos, têm até duas vezes mais força do que outras locomotivas da bitola métrica, característica diretamente relacionada ao motor, que usa tecnologia de tração de corrente alternada (AC). Tecnicamente, duas BBIs correspondem a três locomotivas de seis eixos (motor AC), enquanto três delas equivalem a cinco locomotivas de oito eixos com motor de tração de corrente contínua (DC).

 Além de aumentar a força das locomotivas, as novas tecnologias adotadas na BBi reduzem o consumo de combustível e coletam uma série de dados sobre cada viagem a partir de sistemas digitais com centenas de sensores. A máquina usa softwares comparáveis aos da indústria automobilística, que permitem análise do sistema operacional baseada em mais de 400 parâmetros. A economia e os benefícios para o meio ambiente estão entre as principais vantagens, uma vez que a BBI emite até 80% menos poluentes. A redução do consumo de combustível ajuda a diminuir em 10% os custos operacionais da máquina, que conta com ar condicionado, frigobar e até assento com regulagem a ar.

 Sobre a Klabin

A Klabin, maior produtora e exportadora de papéis do Brasil, é líder na produção de papéis e cartões para embalagens, embalagens de papelão ondulado e sacos industriais. Fundada em 1899, possui 16 unidades industriais no Brasil e uma na Argentina. Está organizada em quatro unidades de negócios: Florestal, Celulose (fibra curta, fibra longa e fluff), Papéis (papel cartão, papel kraft e reciclados) e Embalagens (papelão ondulado e sacos industriais).

 Toda a gestão da empresa está orientada para o Desenvolvimento Sustentável, buscando crescimento integrado e responsável, que une rentabilidade, desenvolvimento social e compromisso ambiental. A Klabin integra, desde 2014, o Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE), da BM&FBovespa. Também é signatária do Pacto Global da ONU e do Pacto Nacional para Erradicação do Trabalho Escravo, buscando fornecedores e parceiros de negócio que sigam os mesmos valores de ética, transparência e respeito aos princípios de sustentabilidade.

Sobre a Rumo
A concessionária tem 12 mil quilômetros de malha ferroviária, 966 locomotivas, 28 mil vagões e quase 12 mil funcionários diretos e indiretos. Sua capacidade de elevação no Porto de Santos e no Porto de Paranaguá é de 29 milhões de toneladas ao ano.

 Atua no transporte de produtos agrícolas e industriais em seis estados: São Paulo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Oferece serviços que dão suporte às exportações e ao transporte interno de mercadorias sobre trilhos. Além disso, desenvolve projetos ferroviários em parceria com investidores.

Seja o primeiro a comentar on "Com a nova fábrica da Klabin, cresce o transporte ferroviário de Ponta Grossa à Paranaguá"

Faça um Comentário

Seu endereço de email não será mostrado.


*