“A diferença da Tatuapé é o povo que a gente tem”, diz presidente da escola

Rosas de Ouro fica em quinto lugar no carnaval paulista de 2017 (Rovena Rosa/Agência Brasil)

Após a última nota da Acadêmicos do Tatuapé ser cantada no microfone, representantes da diretoria da escola de samba caíram ajoelhados no chão, comemorando a vitória do Grupo Especial de São Paulo. “É sempre no último minuto, na última hora, a gente não perdeu a esperança, a gente fechou nossa corrente aqui porque sabia que era possível. Graças a Deus, comemora Tatuapé! Estamos chegando, comemora Tatuapé!”, disse emocionado o presidente da escola, Eduardo dos Santos, durante a comemoração.

 

 Do Berço Sagrado da Humanidade à Abençoada Terra do Grande Zimbabwe (Rovena Rosa/Agência Brasil)

A euforia tomou conta da Escola de Samba Acadêmicos do Tatuapé, campeã do carnaval paulista com o tema Mãe África Conta a Sua História: Do Berço Sagrado da Humanidade à Abençoada Terra do Grande Zimbabwe Rovena Rosa/Agência Brasil

Com a conquista do título inédito pela agremiação da zona leste da capital paulista, o presidente atribuiu a vitória à sua comunidade. “A diferença é nosso povo, são os mutirões no nosso barracão; a diferença é nossa comunidade, o nosso componente que veste fantasia. A diferença da Tatuapé é o povo que a gente tem”, enfatizou Eduardo dos Santos.

“Nós não damos sorte nenhuma, a única sorte que a gente dá é de reunir esse grupo maravilhoso de pessoas que vai lá, trabalha muito, se compromete com a gente e vem aqui e faz um espetáculo como esse que vocês estão vendo”, acrescentou. Ele agradeceu aos 2,7 mil componentes da escola e reiterou que “a zona leste sofrida, guerreira, merece esse título”, comemorou.

Segundo o presidente, o enredo escolhido pela Tatuapé ajudou na conquista do título. A escola de samba teve como tema Mãe África Conta a Sua História: Do Berço Sagrado da Humanidade à Abençoada Terra do Grande Zimbabwe.

“O enredo que ajuda bastante, é como eu falei: ninguém faz uma festa como o povo africano, e nós viemos aqui mostrar essa festa para o Brasil inteiro. Graças a Deus, conseguimos sair vitoriosos. Já estávamos vitoriosos na sexta-feira, quando fechou o nosso portão. A gente estava muito feliz da vida, muito realizado, porque o nosso compromisso era fazer o melhor desfile da nossa vida, o melhor desfile dos nossos 64 anos, e nós fizemos. Isso já era para nós motivo suficiente para estar feliz e realizado. Esse prêmio, esse troféu, esse campeonato só coroou um trabalho maravilhoso desde 23 de abril do ano passado até agora”, avaliou Santos.

O carnavalesco da escola, Flávio Campelo, também caiu na emoção e lembrou que, em 2009, foi campeão pela escola Mocidade Alegre, também na última nota. “Agora, mais uma vez, é muita emoção. Nem sei se tem coração aqui ainda”, comemorou.

“A nossa comunidade merece isso. Não tem preço [essa vitória], principalmente com a Tatuapé, que é uma escola de garra, uma escola de comunidade. A comunidade que merece isso. Eu estou feliz”, disse o carnavalesco.

Apuração

A apuração das escolas de samba do Grupo Especial de São Paulo começou por volta das 16h20, sob sol forte, no Sambódromo do Anhembi, zona norte da cidade. Logo no início o silêncio tomou o local. Passada metade da apuração, por volta das 17h15, alguns gritos de comemoração eram ouvidos no anúncio de notas 10.

No entanto, o clima no local permaneceu tranquilo durante toda a apuração, sem nenhum registro de ocorrência. Os representantes das diretorias permaneceram concentrados, ouvindo as notas dos jurados até as 18h, quando, na última nota, veio a vitória para a Acadêmicos do Tatuapé.

As primeiras notas a serem cantadas foram do quesito fantasia. Depois, vieram os quesitos bateria, comissão de frente, mestre-sala e porta-bandeira, harmonia, alegoria, evolução, enredo e, por último, samba-enredo.

Até as notas do quesito harmonia, a Império de Casa Verde liderou o ranking. Após as notas de alegoria, a Dragões da Real passou para a primeira colocação, onde ficou até o último quesito, terminando empatada, na nota geral, com a Tatuapé. Ambas tiveram a nota final 269,7. O critério de desempate foi a nota do último quesito, samba-enredo, que deu a vitória à agremiação da zona leste da capital, com nota 30. A Dragões teve nota 29,9 no samba-enredo, conquistando o vice-campeonato. Em terceiro lugar, ficou a Vai Vai, com total de 269,4.

O terceiro jurado do quesito harmonia não deu nota para a escola Unidos do Peruche. Pelo regulamento, a nota a ser atribuída no caso é a média aritmética das outras notas recebidas no mesmo quesito. O resultado da média foi 10, não chegando a prejudicar a escola.

 

A seguir o quadro geral com as notas de todas as escolas de samba:

Acadêmicos do Tatuapé 269,7

Dragões da Real 269,7

Vai-Vai 269,4

Império de Casa Verde 269,4

Rosas de Ouro 269,3

Mocidade Alegre 269,2

Unidos de Vila Maria 269

Acadêmicos do Tucuruvi 268,8

Gaviões da Fiel 268,8

Mancha Verde 268,7

Unidos do Peruche 268,4

Tom Maior 268,3

Águia de Ouro 268,2

Nenê de Vila Matilde 268,1

Seja o primeiro a comentar on "“A diferença da Tatuapé é o povo que a gente tem”, diz presidente da escola"

Faça um Comentário

Seu endereço de email não será mostrado.


*