Microcrédito do Prospera já passa de R$ 1,2 milhão neste ano

Santo Bispo dos Reis, de 68 anos, obteve a 11ª carta de crédito por meio do Prospera nesta terça-feira (2). Ele, que trabalha com compra e venda de recicláveis, usará o microcrédito para adquirir material para a atividade, como alumínio e vidro - Foto: Dênio Simões/Agência Brasília


Nos quatro primeiros lotes de 2017, foram 114 contratos. Entre eles, o de Santo Bispo dos Reis, um dos 12 com mais de 60 anos a pegar cartas de crédito do programa

Com mais de R$ 1,2 milhão em cartas de crédito já entregues, o Prospera soma agora 114 contratos nos quatro primeiros lotes de 2017. Do total, 63 foram para mulheres e 51, para homens.

Os dados são da Secretaria do Trabalho, Desenvolvimento Social, Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos, que este ano incluiu mais itens na lista que traça o perfil dos tomadores de microcrédito produtivo.

A partir de agora, é possível saber, por exemplo, a faixa etária dos microempreendedores, que são divididos em três classificações. Os jovens, de 18 a 29 anos, somam 21 beneficiados. Os adultos, de 30 a 59 anos, são 81.

Já o grupo dos idosos, que abrange aqueles acima de 60 anos, conta com 12 tomadores até o momento. Entre eles está Santo Bispo dos Reis, de 68 anos, que nesta terça-feira (2) obteve a 11ª carta de crédito por meio do Prospera.

“(Material reciclável) não é lixo, é uma fonte de renda”Santo Bispo dos Reis, microempreendedor do Paranoá

Ele, que trabalha com compra e venda de recicláveis, usará o microcrédito para adquirir material para a atividade, como alumínio e vidro. “Não é lixo, é uma fonte de renda”, contou Santo, em meio a pilhas de garrafas, no espaço que mantém dedicado a esse tipo de negócio.

Estabelecido no Paranoá, ele trabalha sozinho. Todavia, mais de 200 pessoas dependem do serviço, entre as quais comerciantes e as famílias que juntam os materiais para lhe vender.

Santo Bispo dos Reis, de 68 anos, trabalha com recicláveis e nesta terça-feira (2) obteve a 11ª carta de crédito do Prospera.

Santo Bispo dos Reis, de 68 anos, trabalha com recicláveis e nesta terça-feira (2) obteve a 11ª carta de crédito do Prospera. Foto: Dênio Simões/Agência Brasília

 

Assíduo nos pagamentos, Santo detalha que quitou antecipadamente as parcelas da última carta obtida. O que o faz permanecer no programa, diz, são as baixas taxas de juros.

No campo, as taxas são de 2% ao ano para custeio e de 3% para investimento. Na cidade, o índice é de aproximadamente 0,7% ao mês para capital de giro e para investimento.

“(Santo) é um exemplo de que o programa é um sucesso. Ele poderia buscar (financiamento) em outras praças, mas continua pagando em dia, ou antecipando, para continuar tendo a possibilidade de pegar crédito a um custo muito barato”, disse o subsecretário de Microcrédito e Empreendedorismo, João Carlos Martins Neto.

No campo, a taxa de juros é de 2% ao ano para custeio e de 3% para investimento. Na cidade, o índice é de 0,7% ao mês para capital de giro e investimento

O subsecretário entregou as cartas de microcrédito nesta terça-feira (2), no auditório da Secretaria Adjunta do Trabalho, no Setor Comercial Sul.

Neste lote, são 27 cartas urbanas, no valor de R$ 272.624,72 e 5 rurais, que totalizam R$ 49.295,10. De acordo com João Carlos, são estudadas novidades para o programa, como cursos e distribuição de cartilha de educação financeira.

O que é o Prospera

É um programa de microcrédito produtivo orientado da Secretaria do Trabalho, desenvolvido com o apoio do Banco de Brasília (BRB) e da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Distrito Federal (Emater-DF).

O alcance é voltado para empreendedores urbanos do setor informal (autônomos), micro ou pequenas empresas, artesãos, cooperativas de trabalho e produção individual. Na área rural, o apoio vai para cooperativas e produtores familiares.

Os recursos saem do Fundo de Geração de Emprego e Renda do DF, e não há cobrança de taxa de abertura de crédito, de Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) ou outros tributos.

Duas cartilhas produzidas pela Secretaria do Trabalho (uma para público urbano e outra para o público rural) trazem mais informações sobre o programa.

Como solicitar o Prospera

Todas as agências do trabalhador podem auxiliar com informações, mas os pedidos de crédito são feitos nas unidades do Plano Piloto (Setor Comercial Sul, Quadra 6, Lotes 10 e 11) e de Taguatinga (Avenida das Palmeiras, Quadra C4, Lote 3).

Essas duas unidades centralizam a operação do programa de microcrédito do governo de Brasília. O funcionamento é de segunda a sexta-feira, das 8 horas ao meio-dia, e das 14 às 18 horas.

No caso da área rural, deve-se procurar um dos postos da Emater-DF. O atendimento também é de segunda a sexta-feira, das 8 horas ao meio-dia, e das 13 às 17 horas.

Pedidos de crédito do Prospera DF

Para a área urbana

Nas Agências do Trabalhador do Plano Piloto (SCS, Quadra 6, Lotes 10 e 11) e de Taguatinga (Avenida das Palmeiras, Quadra C4, Lote 3)

De segunda a sexta-feira

Das 8 horas ao meio-dia e das 14 às 18 horas

Para a área rural

Nas unidades da Emater-DF

De segunda a sexta-feira

Das 8 horas ao meio-dia e das 13 às 17 horas

Seja o primeiro a comentar on "Microcrédito do Prospera já passa de R$ 1,2 milhão neste ano"

Faça um Comentário

Seu endereço de email não será mostrado.


*