Mostra na CLDF traz a geometria sensível de Rubem Valentim

Obras de Valentim ficam em exposição até 18 de maio

Valentim, um dos mais importantes artistas do País, cuja obra é identificada com as tradições populares do Nordeste e as religiões de matriz africana, é um dos três “brasilienses” que integram a exposição coletiva “Poesia, Geometria e Construção”, em cartaz na Câmara Legislativa do DF até o próximo dia 18 de maio.

Nascido em Salvador em 1922, Valentim ainda menino teve contato com o candomblé, religião dos escravos africanos que iria dar forma a seus trabalhos bi e tridimensionais mais conhecidos, muitos deles realizados em Brasília, cidade onde residiu a partir de 1966, quando tornou-se professor do Instituto Central de Artes da UnB.

Nos primeiros anos da década de 1960, após transferir-se da Bahia para o Rio de Janeiro, ele passou uma temporada na Europa, percorrendo vários países, visitando museus, galerias e bienais, além de participar de exposições. Antes de chegar a Brasília, esteve também na África, em Dakar (capital do Senegal), onde suas obras foram exibidas na Exposição de Arte Contemporânea do I Festival Mundial de Arte Negra.

Obra pública

A partir de Brasília, o artista passou a expor em diversas cidades brasileiras e estrangeiras. Entre as obras que deixou na Capital, em coleções públicas e privadas, destaca-se um mural de mármore para o edifício-sede da Novacap (que hoje abriga a Secretaria de Fazenda do DF), considerado sua primeira obra pública e que pode ser apreciada no Setor Bancário Norte.

O trabalho de Rubem Valentim despertou o interesse dos grandes nomes da crítica nacional – como Mario Pedrosa e Frederico Morais – e internacional – como o italiano Giulio Carlo Argan. Na avaliação de Bené Fonteles, um dos maiores especialistas em sua obra, ao recriar signos e símbolos universais, o artista “revela o amplo sentido do sagrado”. Esse aspecto transcultural, na opinião de Fonteles, é o que diferencia o percurso de Valentim dos demais artistas do País.

A produção de Rubem Valentim, que faleceu em São Paulo no ano de 1991, continua sendo estudada e exposta. Em Brasília, desde os anos 1960, foram várias mostras, inclusive retrospectivas. Atualmente, está em cartaz na Caixa Cultural a exposição “Rubem Valentim – Construção e Fé”. Na Câmara Legislativa, prossegue a coletiva “Poesia, Geometria e Construção”, reunindo ainda trabalhos de Athos Bulcão e Galeno que, juntos com Valentim, artistas de diferentes gerações, têm suas trajetórias fortemente vinculadas à história da cidade.

“Poesia, Geometria e Construção” – Rubem Valentim, Athos Bulcão e Galeno
Local: Foyer do Plenário da Câmara Legislativa do Distrito Federal
Visitação: até 18 de maio
Horário: de segunda a sexta-feira, das 8h às 19h
Classificação indicativa: livre para todos os públicos
Entrada franca

Seja o primeiro a comentar on "Mostra na CLDF traz a geometria sensível de Rubem Valentim"

Faça um Comentário

Seu endereço de email não será mostrado.


*