Vazio sanitário da soja começa no sábado (1º) em todo o DF

Lavoura de soja na região de Planaltina: a partir de sábado (1º) fica proibido por 90 dias o cultivo da planta no DF. Foto: Tony Winston/Agência Brasília – 13.1.2016

Produtores rurais devem eliminar as plantas vivas para combater a incidência de ferrugem asiática. Impedimento vai até 30 de setembro e quem descumprir está sujeito a multa de R$ 15 mil a R$ 50 mil

A partir de sábado (1º), produtores de soja do Distrito Federal devem eliminar todas as plantas vivas da cultura — o chamado vazio sanitário. Durante 90 dias, os agricultores estão proibidos de semear ou de manter pés do cultivo.

A medida visa à quebra do ciclo do fungo Phakopsora pachyrhizi, causador da ferrugem asiática. A doença é a principal causa de perdas na lavoura, uma vez que leva ao amarelecimento precoce de folhas e caule e prejudica o enchimento dos grãos.

A eliminação das plantas pode ocorrer de forma mecânica, como remexer o solo por meio de maquinário ou ao colocar o gado para se alimentar dos pés de soja. O uso de aditivos químicos para morte do cultivo também é uma opção. O impedimento vai até 30 de setembro.

Equipes da Secretaria da Agricultura, Abastecimento e Desenvolvimento Ruralfarão fiscalização em toda a área plantada de soja na última safra. São cerca de 71 mil hectares de lavoura em 200 propriedades em todo o território.

71 mil
Quantidade de hectares ocupados com plantação de soja em 200 propriedades

Quem desobedecer à restrição será notificado e está sujeito a multa de R$ 15 mil a R$ 50 mil, além da obrigatoriedade de erradicar as plantas vivas, conforme determina a Lei Distrital nº 4885, de 11 de julho de 2012.

O vazio sanitário tem o objetivo de tirar do fungo a oferta de alimento, no caso, o pé de soja. Além disso, a suspensão do cultivo serve para pôr fim ao microorganismo que estiver presente no ambiente mesmo após a retirada da planta.

Pesquisas mostram que o fungo consegue sobreviver de 55 dias a 60 dias no solo. “Por isso, no DF estabeleceu-se o prazo de 90 dias, tempo superior ao ciclo de vida dele”, conta a gerente de Sanidade Vegetal da Secretaria da Agricultura, Abastecimento e Desenvolvimento Rural, Marília Angarten.

Prevenção protegerá a lavoura na próxima semeadura

Sem ter como se desenvolver, o microorganismo também não produz esporos, unidades de reprodução. “Dessa forma, quando chegar a próxima semeadura, em novembro, a ferrugem asiática não atinge tão fortemente a lavoura”, explica a gerente de Sanidade Vegetal.

Reduzir a incidência de ferrugem asiática resulta também em economia na produção, uma vez que demanda menor aplicação de fungicidas. “O produtor gasta menos com agrotóxicos e tem maior produtividade”, destaca Marília.

Em caso de suspeita de descumprimento do vazio sanitário, deve-se alertar a pasta da Agricultura. Denúncias podem ser enviadas pelo telefone (61) 3051-6422 ou por meio do endereço eletrônico gsv.defesa.seagri@gmail.com.  

Seja o primeiro a comentar on "Vazio sanitário da soja começa no sábado (1º) em todo o DF"

Faça um Comentário

Seu endereço de email não será mostrado.


*