Casos de Dengue reduzem 51% no primeiro semestre do ano

Os números deixam o Amapá na situação de baixo e médio risco de infecção da doença, segundo o Ministério da Saúde

Queda também acompanha outras doenças transmitidas pelo Aedes aegypti

 

De acordo com o último Boletim Epidemiológico da Coordenadoria de Vigilância em Saúde (CVS), o Amapá continua registrando queda nos casos de doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti. Os números mostram que, de janeiro a junho, deste ano, foram confirmados 666 casos da doença, sendo que, no mesmo período do ano passado, foram contabilizados 1.352 casos, o que representa uma redução de 51%.

Os números deixam o Amapá na situação de baixo e médio risco de infecção da doença, segundo o Ministério da Saúde (MS). As maiores quedas foram registradas nos municípios de Ferreira Gomes, Calçoene, Laranjal do Jari, Pedra Branca, Oiapoque e Tartarugalzinho. Na capital, os números também tiveram redução. No primeiro semestre de 2016, foram contabilizados 601 casos confirmados de dengue, já este ano, o período soma 206.

A redução também foi seguida por outras doenças transmitidas pelo Aedes. Nos casos de febre chikungunya, que teve 59 confirmações este ano, a redução é de 41%, comparando-se com o mesmo período de 2016, com 100 casos. Quanto à infecção pelo vírus zika, no primeiro semestre de 2016, foram registrados 160 e, neste ano, somente 7.

Os números têm refletido o mais próximo da realidade pela realização do Levantamento Rápido do Índice de Infestação por Aedes aegypti (LIRAa), que se tornou obrigatório em todos os municípios, sob pena de perderem os recursos provenientes do MS.

Para o chefe da Vigilância Ambiental da CVS, Emanuel Bentes, a redução é resultado das constantes ações que têm acontecido. “Para vencer o mosquito, nós montamos uma força-tarefa que envolveu não só servidores, como a população como um todo. Mesmo com a queda nos números, é importante que continuemos fazendo o monitoramento”, enfatizou.

Seja o primeiro a comentar on "Casos de Dengue reduzem 51% no primeiro semestre do ano"

Faça um Comentário

Seu endereço de email não será mostrado.


*