Izalci Lucas: “No Senado se exige muita experiência, não é lugar de oba oba”

Candidato pelo PSDB é favorito a uma das vagas ao Senado, tem a campanha mais consistente e o plano de governo que montou para disputar o GDF será defendido na campanha. “No Senado se exige muita experiência”, destacou em entrevista ao Metrópoles

O candidato ao Senado Federal, Izalci Lucas (PSDB), é favorito a uma das vagas em disputa no Distrito Federal. Ele sai na frente dos concorrentes pelas propostas apresentadas. O diferencial aos adversários é que Izalci se preparou nos últimos quatro anos para disputar o Palácio do Buriti e montou um plano de governo moderno para o DF. Outro fator que o credencia por ser nos últimos quatro anos o parlamentar mais atuante do Distrito Federal e um dos 10 melhores parlamentares do Brasil.

Ao ficar fora da disputa do governo, Izalci remodelou o trabalho e os estudos elaborados nos últimos anos com apoio de sua equipe técnica e se apresenta como o candidato a senador com mais propostas.

Outro ponto que favorece Izalci são os dois outros candidatos que melhor aparecem nas pesquisas. Leila do Volêi (PSB), inventada de última hora pelo governador Rodrigo Rollemberg (PSB), cresceu nas últimas duas semanas em cima da fama de ex-atleta da Seleção Brasileira de Voleibol.

Sem conteúdo, as intenções de votos que consegue está em mais em cima da fama do que de proposta para o Distrito Federal.

O outro candidato é Cristovam Buarque (PPS), que depois de 16 anos no Senado, hoje não representa nem a esquerda, tampouco a direita. Vem despencando nas pesquisas e deve ficar sem mandato pela primeira vez depois de quase duas décadas.

Na tarde desta quarta-feira (19), em entrevista ao jornalista Caio Barbieri, do portal Metrópoles, Izalci Lucas falou abertamente sobre as manobras que foi vítima na pré-campanha. “Me preparei para ser governador, mas puxaram meu tapete, então deixei o grupo. Quero falar de Brasília, lá [na outra chapa] eles só comentavam sobre quociente eleitoral”.

A “outra chapa” citada por Izalci é formada pelo candidato ao GDF pelo PSD, Rogério Rosso e Cristovam ao Senado. Os dois são os responsáveis pelo que chamou de “puxada de tapete”. Curiosamente, tanto Rosso quanto Cristovam estão em queda nas pesquisas.

“Todos tinham assumido compromisso comigo. Agora, não última hora eles mudaram, por questões de alianças partidárias, quociente eleitoral. E isso me preocupou muito porque eu estou preocupado com Brasília. Eu não ouvi nesses grupos todos a discussão com a cidade.

Izalci explicou durante a entrevista uma das principais funções de um senador é trazer recursos para a sua unidade da Federação. São três senadores para cada estado, além do Distrito Federal. “Se analisarmos hoje as obras do Governo Federal, se pegarmos o orçamento do DNIT, do Ministério da Cidades, não tem nada para o Distrito Federal. O DF está em último lugar em termos de investimos e de obras”, lamentou Izalci.

O candidato lembrou que Brasília hoje não tem nenhuma obra do PAC – Plano de Aceleração do Crescimento. E que isso seria por falta de atuação dos senadores.

Izalci também criticou a candidata do governador Rodrigo Rollemberg, a Leila do Volei. Para ele, não dá para brincar de ser senador. Ele lembrou uma frase que disse em uma reunião que se fosse para o plenário do Senado disputar uma partida de futebol ele votaria no Pelé; se fosse basquete, no Oscar. “No Senado não se disputa nem futebol, nem volei, nem basquete. No Senado são ex-governadores, ex-presidentes da República, pessoas muito preparadas, que conhecem o orçamento, que vão nos ministérios e brigam por obras para seus estados”, desabafou.

Em outro ponto, alfinetou Cristovam. Izalci afirmou que quando viu o DF em último lugar na lista de obras, não se pode fazer no Senado somente no discurso ou no artigo em jornal ou ficar ainda no ‘oba-oba’.

“É preciso ter conhecimento. Já fui deputado distrital, sou deputado federal, fui do Executivo e conheço até o Judiciário, porque fui juiz do Tribunal do Trabalho. Então a gente conhece muito o orçamento e o principal trabalho nosso vai ser esse, trazer recursos para obras e investimento no Distrito Federal”, disse Izalci durante a entrevista.

No final, lembrou que faz parte da Comissão Mista do orçamento no Congresso Nacional, que o credencia ao mandato de Senador. E também que além de visitar as cidades, ouvindo a população para montar seu plano de governo, teve atuação destacada na regularização fundiária do Distrito Federal, na Reforma do Ensino Médio e que é preciso trazer incentivos fiscais fundamentais para o desenvolvimento de Brasília. “No Senado se exige muita experiência”, destacou.

E não faltaram críticas ao atual governador, da qual é adversário político: “Falta gestão no DF. Perdemos recursos da saúde, do fundo constitucional por falta de planejamento. Quero gerar investimento para Brasília. Temos um projeto do Hospital do Câncer, por exemplo, que sequer foi licitado, embora esteja pronto”, disse.

 

Confira a íntegra da entrevista:

Seja o primeiro a comentar on "Izalci Lucas: “No Senado se exige muita experiência, não é lugar de oba oba”"

Faça um Comentário

Seu endereço de email não será mostrado.


*